ler mais...
28 Fevereiro 2010

Quando voltava a Inglaterra, Gary Bellchambers comportava-se como um pobre homem. Conduzia um Ford Escort e, à noite, regressava invariavelmente à casa que abandonara anos antes: uma pequena habitação situada num bairro social de Rainham, no condado de Essex. Quando chegava à Tailândia, o país para onde se mudara em 2000, porém, tornava a ser o homem em que entretanto verdadeiramente se transformara. Tinha mais de vinte casas, velejava num iate de dois milhões de euros, era membro dos clubes de golfe mais exclusivos, apanhava jactos para ir visitar o restaurante flutuante que detinha na Austrália – e gabava-se sem reservas de possuir acções de mais de vinte das maiores empresas britânicas.
O seu modo de vida começou a ruir no final de 2006. Antes disso já houvera problemas com uma série de bolas de golfe que ele próprio fornecera para um grande torneio amador em Espanha – e a identificação de um ninho de aranha tropical na concavidade da cabeça de um taco que comercializara também levantara suspeitas em Inglaterra. Mas só em Outubro desse ano uma mulher decidiu queixar-se anonimamente ao eBay da legitimidade de um set de tacos Mizuno que o marido comprara através do site de leilões. Resultado: a queixa seguiu para as autoridades britânicas, que em Novembro lançaram a Operação Augusta – e em poucas semanas foram apreendidas centenas de milhar de tacos e acessórios de golfe, assim como constituídos arguidos oito cidadãos britânicos, Bellchambers incluído.
Na verdade, tratava-se de uma rede global de contrafacção – “a maior conspiração para venda e comercialização de produtos falsificados que alguma operou através do eBay”, segundo veio a ser declarado em tribunal. Ao longo de cinco anos, Gary Bellchambers e uma série de cúmplices espalhados pelo Reino Unido, pela Irlanda, pela Alemanha, pela Austrália, pelos Estados Unidos, pela China, por Hong Kong e pela Tailândia distribuíam para os cinco continentes tacos falsos de quase todas as marcas, em especial Taylor Made, Callaway e Odissey. A coordenação estava instalada em Pattaya, na Tailândia. Os tacos, vindos normalmente da China, custavam-lhes todos menos de três libras (menos de € 3,50, portanto) e eram vendidos à média de 100 libras a unidade (€ 115, portanto), com um lucro superior a 3000 por cento. Foram lesados centenas de milhar de cidadãos de todo o planeta. Os lucros da rede não foram quantificados, mas ascendem a “milhões de libras”, segundo a acusação.
O julgamento realizou-se este Inverno ao longo de onze semanas. Quatro cúmplices de Belchambers, residentes em Rainham, Hertford e Blackpool, já foram condenados a cerca de 30 meses de prisão cada um, ao abrigo da britânica Criminal Law Act 1977, por “conspiração para vender tacos e acessórios de golfe com formas, etiquetas e sinais passíveis de os fazerem confundir com tacos de marcas oficiais”. Gary Bellchambers, o líder da quadrilha (e ao qual os restantes chamavam “The Man”, ou “O Homem”) era para ser conhecer a sua sorte a 25 de Janeiro, mas a juiz Jacqueline Beech, a que o tribunal de Snaresbrook Crown (Londres) entregou o processo, decidiu adiar a leitura da sentença para amanhã, dia 1 de Março. Em cima da mesa está uma pena que pode ir até 10 anos de prisão. O facto de Bellchambers ter-se declarado culpado pode atenuar a pena. A circunstância de ser assumidamente o líder da quadrilha terá, naturalmente, o efeito contrário.
Problema resolvido? Longe disso. Garante Bill Adams, Trading Standards Officer do concelho londrino de Havering, que coordenou toda a operação de desmontagem da rede, que os riscos permanecem. “Os tacos de Bellchambers continuam a ser vendidos. Aliás, nem sequer podemos excluir que, de alguma forma, o dinheiro desta rede continue a ser canalizado para ele”, disse Adams ao “The Times”. “De qualquer maneira, há outras redes a operar online. Inúmeras, embora de diferentes dimensões. No fundo, há demasiado em jogo para o esquema morrer. E é um esquema demasiado grande e demasiado global para alguém conseguir deitar-lhe a mão. É preciso não esquecer que nós apanhámos oito pessoas. Oito ingleses que estavam em Inglaterra. O resto continua por aí, disperso pelo mundo. E está tudo nas mãos dos golfistas. Enquanto as pessoas continuarem a comprar estes tacos, eles continuarão a existir.”
“A Nike, não sendo líder de mercado, não é das marcas mais contrafeitas. Mas que as falsificações existem, lá isso existem. Online e, até, em algumas lojas que se fornecem online. Tenho sempre cuidado em tentar identificá-las, de forma a não misturar o meu material com o falsificado”, diz Rui Coelho, representante da Nike em Portugal. “Eu não sei se a situação é melhor ou pior do que há uns anos. Mas sei que a contrafacção existe. A minha regra é: online não se deve comprar nunca. É perigoso. E, mesmo nas lojas, é preciso que o cliente de certifique da legitimidade da mesma”, acrescenta Stéphane Castro Ferreira, representante da Callaway. Embora a maior parte das redes (como, aliás, a de Gary Bellchambers) operem através do eBay, não tendo portanto uma loja física ou sequer um site próprio, a fraude espreita a cada esquina, tendo já mesmo actuado através de pelo menos uma loja física portuguesa (ver caixa). E, em Inglaterra, os cúmplices de Bellchambers chegavam mesmo a organizar fittings a meias com as lojas que forneciam.
Segredo: desconfiar – desconfiar sempre – dos negócios da China. Para além do enorme prejuízo financeiro que estes tacos representam para cada jogador que os compre, o golfe com ele praticado fica sempre aquém das reais potencialidades do jogador em causa, mesmo que ele venha a convencer-se do contrário. De acordo com testes químicos e mecânicos realizados para a revista “Golf World” pelo profissional de golfe Mark Yonwin e pelo investigador Andreas Chrysanthou, da Universidade do Hertfordshire, os tacos de contrafacção são feitos de ligas menos valiosas e têm uma performance profundamente mais errática, perdendo em todos os parâmetros na comparação com os tacos legítimos: velocidade de taco, velocidade de bola, smash factor, taxa de spin, tempo de voo, carry, distância total e, principalmente, precisão. O que prova que, tal como na vida, também no golfe, quando um preço parece bom de mais para ser verdade, o mais provável é que o seja.

 

 

COMO DETECTAR UM TACO FALSO?

Não é fácil, sobretudo quando não se anda permanentemente a par das novidades do mercado. Mas há meia dúzia de cuidados que reduzem substancialmente as possibilidades de nos deixamos enganar.

HEADCOVERS
A qualidade da contrafacção tem melhorado, pelo que agora até já se encontram nos tacos falsos headcovers exactamente iguais às que acompanham os tacos verdadeiros. Mas nem sempre isso é verdade. Em alguns casos, as headcovers de contrafacção são obviamente mal feitas, com maus materiais e cores deturpadas. A regra é: se a headcover for má, desista logo; se for boa, passe aos pontos seguintes da despistagem.

PACOTES
O mesmo se passa com as dimensões da venda. Até recentemente, os tacos de contrafacção eram todos vendidos em pacote, incluindo os ferros do 3 ao SW (e até, às vezes, madeiras), coisa que as marcas oficiais há muito não faziam. Hoje em dia, os falsificadores já vendem à unidade. Mas, atenção: não todos. Portanto, se o pacote for “total”, desista logo; se não, passe aos pontos seguintes da despistagem.

PESO E DIMENSÕES
É um teste aplicável sobretudo aos drivers e às madeiras. Os tacos contrafeitos são normalmente mais pequenos e mais pesados do que os tacos legítimos. Se tiver oportunidade, compare o taco em causa com outro do mesmo modelo. Mas, pelo menos, pegue nele e “sinta-o” nas mãos. Se lhe parecer que há algo errado, vale a pena certificar-se da sua legitimidade antes de puxar do cartão de crédito.

TITÂNIO
Sempre que for às compras a uma loja de que suspeite minimamente, leve de casa um íman, mesmo que tenha de ir roubá-lo à porta do frigorífico. Depois, tente colá-lo a qualquer taco que reclame ter titânio. Quase todas as ligas que incluem titânio são incapazes de atrair um íman. E o facto é: a esmagadora maioria dos tacos de contrafacção são construídos com ligas sem titânio, que é um material caro. E atraem ímans, pois.

CABEÇAS
É outro teste que exige a existência de um taco seguramente legítimo para comparação. As letras da marca inscritas na cabeça dos tacos, nomeadamente dos ferros, são normalmente mais largas ou mais estreitas do as existentes num taco legal. Da mesma forma, a cor da cabeça não é igual, apresentando quase sempre sombreados diferentes, que lhe dão uma tonalidade geral diferente também.

NÚMEROS DE SÉRIE
Normalmente os tacos contrafeitos nem sequer trazem números de série inscritos na vareta original (junto ao grip),. Mas às vezes trazem, copiando-os aleatoriamente de um número de série qualquer, da marca em causa ou de qualquer outra. As marcas costumam têm todas um número de telefone para o esclarecimento de dúvidas deste tipo. Basta ir buscá-lo ao respectivo site, telefonar e conferir os números de série em causa.

GRIPS
Nos tacos contrafeitos, as letras com a marca e o modelo do grip apresentam quase sempre os mesmos problemas apresentados pelas letras das cabeças. Mas, mesmo sem taco legítimo para comparação, é possível identificar uma cópia: os grips, normalmente feitos de borracha de pneu, têm um cheiro a químico – e, além disso, não costumam trazer uma tira perfuradora ao longo do plástico que a cobre, mas apenas uma tira vermelha pintada.

SELOS NAS VARETAS
Os clássicos autocolantes Dinamic Gold de um taco contrafeito são quase sempre de dimensões e/ou tonalidades diferentes dos autocolantes existentes nos tacos legítimos. E isso é quando há autocolantes. Normalmente, uma cópia apenas traz a expressão Dinamic Gold em letras pintadas, sendo possível apagá-las com uma simples borracha, embora com alguma persistência.
PREÇO
Como os métodos de contrafacção estão cada vez mais sofisticados – e o resultado final tende a ser cada vez mais parecido com o original –, o preço mantém-se como o melhor e mais eficaz meio de despistagem. Se um taco lançado recentemente está, num determinado site ou numa determinada loja, muito mais barato do que na concorrência (mesmo que o desconto a si mesmo se intitule “promoção”), então o mais natural é que se trate de contrafacção. Não se iluda, portanto.

 


“O MATERIAL DE CONTRAFACÇÃO ESTÁ POR TODOS OS LADOS”

Luís Sequeira, mecânico de origem, abriu a sua primeira loja de golfe em 2006. Chamou-lhe Lagos Golf Shop. Golfista amador, com tempo de golfe suficiente para possuir um simpático handicap 12, cumpria um velho sonho. Mas sabia que a concorrência das grandes cadeias, sediadas em muitos casos nas club-houses dos próprios campos, era difícil. E, quando os preços dos tacos e dos acessórios que encomendava às marcas começaram a ameaçar-lhe o orçamento, decidiu atalhar. Foi à Internet, à procura de material mais barato. E encontrou-o.
Naturalmente, era material de contrafacção. Hoje, à distância de mais de três anos (e com a experiência entretanto acumulada), diz que já não se deixava enganar. Na altura, deixou-se. Durante vários meses, vendeu material falsificado das mais diversas marcas, sempre (garante o próprio) sem perceber que estava a fazê-lo. Comprava por metade do preço e vendia com 20 por cento de desconto. “O negócio ia de vento em popa”, recorda. De tal forma que a Lagos Golf Shop veio a juntar mais uma loja ainda: a Vilamoura Golf Shop, inaugurada em Maio de 2007. E foi precisamente aí que os problemas surgiram, em Junho de 2008.
Uma denúncia para a Brigada Fiscal levou os agentes à loja. Resultado: material apreendido e processo instaurado. Luís Sequeira garante que não consegue quantificar a quantidade de material de contrafacção que vendeu, mas que, de qualquer maneira, “não foi assim tanto”. Aos clientes que conhecia, contactou-os e devolveu-lhes o dinheiro. Aos outros, pede desculpa. A Brigada Fiscal apreendeu quase tudo o que restava. No fim, Sequeira ficou apenas com um velho driver, que um cliente veio entregar mais tarde, já partido.
“Tive imenso prejuízo. Passei muito tempo sem dormir. E ainda tenho de ir a tribunal, pois o processo está em curso”, conta. “Não o fiz por mal. Não sabia o que estava a fazer – e, naturalmente, nunca mais o repeti”, acrescenta. Fechada a loja de Vilamoura, Luís Sequeira ainda conseguiu manter viva a de Lagos – e ainda abriu uma nova no Carvoeiro. “Para além da loja, tenho também uma oficina de tacos. E uma coisa posso garantir: muito do material que me aparece aqui para reparar é de contrafacção. Hoje, sei ver a diferença. E ele anda aí por todos os lados…”

FEATURE. J, 28 de FEVEREIRO de 2010

publicado por JN às 23:45
tags:

pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D