ler mais...
11 Abril 2010

Ontem de manhã havia vários voos do Porto Santo e da Madeira para os mais variados destinos – e neles, naturalmente, viajavam muitos dos jogadores que falharam o cut neste Madeira Islands Open. O ambiente era de alguma consternação. Para muitos dos profissionais presentes esta semana no arquipélago, o torneio madeirense é uma oportunidade de ouro: por um lado, tem um field limitado, mais acessível do que o normal; por outro, oferece uma isenção de um ano para a primeira divisão do circuito europeu, para além de um prémio monetário razoável.

Pois, à excepção de eventuais verbas negociadas com patrocinadores, nenhum dos 87 jogadores que falharam a qualificação para o fim-de-semana ganhou um tostão. Tudo não passou de prejuízo, no fundo: as viagens e as estadias, os materiais e os caddies, os snack e os próprios souvenirs. O que é especialmente grave nesta categoria de jogador, note-se. Alguns facturam tão pouco que têm de dividir o quarto com adversários. E outros preferem até ficar num apartamento, de forma a poderem ir ao supermercado comprar um frango grelhado para o jantar.

Foi por isso que me encantou aquela imagem, pois. Eram nove horas da manhã e os derrotados começavam a amontoar-se em frente Hotel Pestana, à espera do autocarro para o aeroporto. Até que, conferidos os minutos que ainda tinha de espera e o espelho que se formava na fachada do hotel pela existência de um vidro sobre fundo escuro, um deles voltou a abrir o saco dos tacos – e de imediato os restantes o imitaram, mergulhando no ensaio de sucessivos swings ao espelho, conferindo cada um deles um aspecto diferente do respectivo movimento e preocupando-se todos com a identificação do defeito que os mandara mais cedo para casa.

O golfe, já se sabe, é uma obsessão. Mas é também, ou mesmo sobretudo, trabalho. E o que nos mostram uma série de derrotados a ensaiar swings ao espelho, enquanto esperam pelo autocarro que os levará para longe do cenário do seu fracasso, são duas coisas. A primeira é que qualquer golfista, logo após a derrota, é corroído interiormente pelo desejo de voltar para cima do cavalo o mais depressa possível. A segunda é que a forma como sobe para cima do cavalo é de novo laboriosa, em mais um tributo desta maravilhosa modalidade à vontade indómita, à dedicação e ao mérito. É possível não gostar de um jogo assim?

COMENTÁRIO (especial Madeira Islands Open). O Jogo, 11 de Abril de 2009

publicado por JN às 18:37

pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D