ler mais...
19 Outubro 2009

Quem estava ao fim da tarde de ontem no green do buraco 17, na linha da frente do corredor que foi preciso improvisar para Lee Westwood bater o shot do torneio, só podia ficar com a impressão de que este III Portugal Masters fora um sucesso. E o facto é que o foi mesmo. Ao melhor field de sempre correspondeu a melhor assistência da história. À brilhante competitividade entre os da frente correspondeu ampla cobertura nos media nacionais e internacionais. E à grande vitória de um dos jogadores que mais prestígio davam ao torneio que ganhassem (Lee Westwood, uma referência do golfe mundial, ainda por cima inglês) há-de corresponder agora, de certeza absoluta, um drástico aumento da notoriedade do Masters português entre os adeptos de golfe de todo o mundo.

E, no entanto, foi Frederico Costa, vice-presidente do Turismo de Portugal, a entregar o troféu. Ao contrário dos dois primeiros anos, em que fora o próprio ministro da Economia (Manuel Pinho) a abrilhantar o momento, nem um só membro do Governo dispôs este ano de suficiente disponibilidade (ou agilidade) de agenda para deslocar-se ao Algarve. Por um lado, é preciso compreendê-lo: depois de um ciclo eleitoral longo de mais, Portugal está, na prática, sem Executivo. Por outro, é importante deixá-lo claro: o golfe nacional, definido até 2015 como um produto estratégico para o sector do turismo (ele próprio uma área estratégica para a economia nacional), vive um momento de charneira, com desafios que exigem um envolvimento institucional claro da parte das diferentes tutelas do sector.
Um desses desafios é a prometida candidatura à organização da Ryder Cup 2018, projecto da Federação Portuguesa de Golfe que poderá representar, a médio prazo, um importante catalisador para a indústria de golfe nacional (e não só). Portugal é igualmente pré-candidato à recepção do Campeonato do Mundo de futebol desse mesmo ano – e, sendo a sobreposição geográfica e temporal das duas provas impossível, de acordo com os critérios da Ryder Cup, o Governo tem desde já, e com urgência, uma tarefa a desempenhar: a concertação entre as federações das duas modalidades, seja para a apresentação de duas candidaturas simultâneas (embora autónomas), seja para a desistência de uma em benefício da outra. Os prazos começam a apertar – e, neste momento, nem sequer é urgente saber quem serão os ministros e os secretários de Estado: já começa a ser urgente que estejam todos no exercício pleno das suas novas (ou velhas) funções.

ESPECIAL III PORTUGAL MASTERS. O Jogo, 19 de Outubro de 2009

publicado por JN às 11:22

pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D